4 de fevereiro de 2014 às 09:02h

A CPI da CGU perdeu a lógica

Comissão Parlamentar de Inquérito, popularmente conhecida como CPI. Na política, é desejada por muitos e temida por todos. A frase que mais se repetia em Caruaru, no fim do ano passado era: “CPI a gente sabe como inicia, mas ninguém sabe como termina”.
 
Nunca se sabe quem ela vai atingir, mas sempre atinge alguém. No caso da CPI da CGU, criada pelo vereador Evandro Silva, da oposição, que pretendia investigar irregularidades apontadas no relatório da Controladoria Geral da União, a investigação vai dar em nada.
 
Vai dar em nada porque perdeu a lógica. Qual é a oposição que vai investigar, que relatório, com que credibilidade?
 
Pode-se comparar a Comissão a alguém que cospe pra cima e espera pra ver o que acontece. O autor da CPI está preso. O motivo: segundo a polícia, ele queria usar a possibilidade de investigação para tentar conseguir dinheiro do prefeito.
 
Além dele, toda a oposição foi presa. A maioria já foi liberada, mas respondem processo por formar organização criminosa, entre outras coisas.
 
Ficam algumas perguntas para os senhores vereadores e, principalmente, para o presidente Leonardo Chaves: existe alguma lógica em continuar com uma situação dessas? Qual a credibilidade que essa comissão terá para apurar, seja lá o que for, daqui pra frente?
 
Querem investigar o relatório da CGU, renovem a Comissão, procurem outros meios. É importante que se esclareça o que for necessário, mas não dessa forma.
 
Digo isso com a decepção de quem foi procurado pelo vereador Evandro Silva, na época, falando da importância de se aprovar essa CPI. O vereador foi, inclusive, meu entrevistado em um debate na Rádio Jornal, falou sobre o assunto, defendeu o ponto de vista que tinha. Achei válido, achei justo.
 
Imaginem minha surpresa, ao saber que, segundo a polícia, era tudo um jogo de cena para ganhar dinheiro.
 
Torço para que a verdade seja esclarecida e os vereadores possam dar provas de inocência. Mas, por enquanto, só posso lamentar.
 

Comentários


Você pode reproduzir esta matéria, desde que seja citada a fonte.