29 de julho de 2016 às 09:52h

Compesa quer usar barragem de Serro Azul para atender o Agreste em 2018

serro azul

 

A Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) anunciou que está buscando alternativas para a escassez de água no Agreste e estuda fazer o aproveitamento da água da Barragem de Serro Azul, em Palmares, também na Mata Sul, para abastecimento humano.

 

Porém, só agora a empresa iniciou a elaboração do projeto da Adutora de Serro Azul, que poderá ofertar no mínimo 560 litros de água por segundo para a região. O projeto executivo para a construção da nova adutora deverá ser concluído em novembro deste ano, com obras previstas para iniciar em fevereiro de 2017. A primeira fase deverá entrar em operação no segundo semestre de 2018.

 

A proposta da Compesa é que a Adutora de Serro Azul se integre à Adutora do Agreste, complementando a água captada no Eixo Leste da Transposição do Rio São Francisco. Numa primeira fase, a água de Serro Azul chegaria a Caruaru, São Caetano, Toritama, Pão de Açúcar, Santa Cruz do Capibaribe, Belo Jardim, Sanharó, São Bento do Una e Tacaimbó. Na segunda etapa, alcançaria, também, Bezerros e Gravatá.

 

Como as obras da barragem, que é executada pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico, estão chegando ao fim, estando 90% concluídas, existe a possibilidade dessa água chegar logo à Adutora do Agreste, antes mesmo das águas do São Francisco. “Há chance de atendermos o Agreste primeiro com essa obra do que com a Transposição. Dos 303 milhões de metros cúbicos que Serro Azul pode acumular, utilizaríamos cerca de um terço para o abastecimento humano”, calculou o diretor Técnico e de Engenharia da Compesa, Rômulo Aurélio Souza.

 

 

Comentários


Você pode reproduzir esta matéria, desde que seja citada a fonte.