13 de novembro de 2015 às 17:12h

CPI investiga faculdade de Santa Cruz do Capibaribe

CPI
 
A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Faculdades Irregulares, da Assembleia Legislativa de Pernambuco (ALEPE), ouviu nessa quinta-feira (12), executivos Executivos da Faculdade de Desenvolvimento e Integração Regional (Fadire), que tem sede em Santa Cruz do Capibaribe, no Agreste.
 
A instituição é acusada de estelionato pelos próprios alunos, por supostamente ofertar, como carreiras de graduação, cursos de extensão universitária – formação de curta duração voltada ao aperfeiçoamento de profissionais. Os representantes negaram todas as alegações à Comissão.
 
Diretor-geral da Fadire, Jean Alves Cabral disse que os estudantes são informados, “expressa e claramente”, de que os cursos da entidade não equivalem a graduação e que, no momento da matrícula, não asseguram a emissão de diploma universitário. Os certificados obtidos após a formação, segundo o gestor, somente podem ser aproveitados para a dispensa de disciplinas em cursos regulares de outras faculdades. “Não vendemos diplomas. Nosso programa é de extensão”, sustentou.
 
O gestor disse que a tática é para manter a instituição aberta, sem informar qualo faturamento total da empresa, que conta com 3,6 mil alunos e cobra mensalidades entre R$ 180 e R$ 250.
 
Alunos da instituição refutaram as negativas dos executivos durante a CPI, um deles Daniele Oliveira, estudante de Serviço Social em Condado, Mata Norte. “Eles sempre afirmaram que o curso era de graduação”, disse a aluna, afirmando que “os diretores nos chamaram até Santa Cruz, onde um coordenador insinuou que nos preocupássemos com nossas vidas e com nossas famílias”, ainda relatou Daniele.
 
Para o presidente da CPI, deputado Rodrigo Novaes (PSD), as informações apuradas até o momento apontam para graves irregularidades administrativas na oferta dos cursos, existindo também indícios de estelionato, formação de quadrilha e fraudes fiscais. “Soubemos de histórias de alunos que pagavam as mensalidades com o Bolsa-Família, tiravam de onde não tinham para realizar um sonho, e estavam sendo enganados”, lamentou.
 
Diretores da Fundação de Ensino Superior de Olinda (Funeso) e das Faculdades Extensivas de Pernambuco (Faexpe) – acusadas dos mesmos ilícitos da Fadire – também foram convocados a depor como testemunhas. Os representantes da instituição devem ser ouvidos na próxima quarta (18).
 

Comentários


Você pode reproduzir esta matéria, desde que seja citada a fonte.