24 de novembro de 2016 às 10:03h

Duas pessoas são presas durante fiscalização na Adutora Tabocas

Durante nova ação de fiscalização na Adutora Tabocas, duas pessoas foram presas em flagrante por furto de água. A adutora transporta água do Sistema do Prata para abastecer o município de Santa Cruz do Capibaribe, no Agreste do Estado.
 
As prisões ocorreram durante fiscalizam da Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) iniciada na quinta-feira (17) e finalizada ontem (23), com o apoio do Ministério Público do Estado e da Polícia Militar. Foram identificadas 35 ligações clandestinas num trecho de cinco quilômetros da adutora, localizado no Sítio Tabocas, distrito de Brejo da Madre de Deus.
 
A operação, executada por quatro equipes da Compesa e policiais militares, efetivou a primeira prisão numa propriedade que estava furtando água da adutora para irrigação de uma plantação de coco. A água estava sendo despejada no local por meio de um cano aberto, sem controle do fluxo. A segunda pessoa presa em flagrante tinha feito uma ligação clandestina para sua propriedade, da onde saíam mais duas tubulações para levar água a outras duas propriedades vizinhas.
 
As ligações clandestinas estavam retirando uma quantidade de água que correspondia a 10 litros por segundo da vazão da adutora – que tem capacidade de transportar 110 l/s – prejudicando uma população de cerca de 80 mil pessoas, que já convive com um regime de abastecimento rigoroso.
 
“Em função dos furtos, não conseguimos abastecer o município na sua totalidade e nem cumprir o calendário vigente, principalmente, nas áreas mais periféricas. Quanto mais ligações clandestinas houver, menor será a quantidade de água para a população”, contextualiza o gerente de Unidade de Negócios da Compesa, Mário Heitor Filho.
 
De acordo com o gerente, só será possível constatar o quanto da vazão foi recuperada, na próxima semana, quando Santa Cruz vai receber água novamente.
 

Comentários


Você pode reproduzir esta matéria, desde que seja citada a fonte.