2 de setembro de 2015 às 14:55h

Economista afirma que é hora da população agir sem o governo para superar a crise

“Sempre se falou no Brasil dos sonhos. Hoje o Brasil não é dos nossos sonhos, mas não é tão frustrante porque podemos recuperar”, frisou o economista Carlos Thadeu Gomes, nesta quarta-feira (02), durante o 1º Congresso de Tecnologia para o Varejo, realizado no Senac em Caruaru (PE).
 
De acordo com o economista, os problemas maiores são “a alta do dólar e o desemprego, que vai continuar crescendo no comércio”, uma expectativa desconfortável já que o comércio, segundo o especialista, “cresceu com uma taxa chinesa de 9% ao ano”. “Tudo são ciclos, houve um favorável, mas o Brasil não soube aproveitá-lo e fazer uma reforma econômica. Mas todos os países são sujeitos a crises. A questão é como enfrentar”, informou.
 
De acordo com o Gomes, mesmo com a crise política e economia que o país enfrenta, ainda há espaço para o aumento da produtividade e empreendedorismo. Entretanto, o cenário atual não mudará rápido e é preciso que os empresários liquidem as dívidas que possuam, já que o momento é de alta do dólar, aperto financeiro e aumento das dívidas das empresas.
 
“É realmente uma crise que não passamos há muitos anos. O que não acontecia desde a implantação do real. É algo comparado só com o programa Collor [Fernando Collor de Melo]. Esse ano o PIB (Produto Interno Bruto) vai cari 3,5% e não vai voltar a crescer no próximo ano. No programa Collor caiu muito, mas no ano seguinte voltou a crescer”, frisou o economista.
 
Ainda segundo Carlos Thadeu, neste momento, é necessário resgatar a confiança fiscal, para que os juros voltem a cair e que os comerciantes, principalmente, os de pequeno porte, consigam flexibilidade para, eventualmente, baixar os preços. Além de reduzir as despesas fixas ao máximo. “Os empresários e comerciantes têm que se virar sozinhos e ajudar o país. Não podemos contar como governo para nada”, finalizou.
 

Comentários


Você pode reproduzir esta matéria, desde que seja citada a fonte.