5 de agosto de 2014 às 08:29h

Eduardo Campos diz que nunca pediu favor a Lula

eduardo-campos-interior-624x415
 
Do Blog de Jamildo
 
Enquanto os adversários do PT afirmam que o maior trunfo da gestão do ex-governador Eduardo Campos (PSB) em Pernambuco foi a parceria com o governo federal; o presidenciável pernambucano afirmou durante o fim de semana, em um discurso em Timbaúba, na Mata Norte, que nunca pediu favor ao ex-presidente Lula (PT), de quem foi aliado prioritário. Em outubro, Campos disputará a Presidência da República contra a presidente Dilma Rousseff (PT).
 
“Tive a ajuda do presidente Lula, com quem fiz muitas parcerias. E fiz parcerias porque nunca fui pedir favor, sempre fui pedir para Pernambuco. Porque levei os projetos arrumados, porque preparei Pernambuco para ter recursos”, afirmou o socialista; que voltou a disparar contra Dilma no discurso.
 
O presidenciável também rebateu as críticas de que teria se lançado na corrida presidencial por vaidade. “Se o Brasil estivesse bem, talvez Pernambuco não tivesse a oportunidade de votar num filho da terra para presidente”, afirmou.
 
“Eu não sou homem de renunciar à luta. Eu sou alguém que compreende que o que está em risco é o País. Projeto de poder, não. Tantas promessas me fizeram pelos jornais. Chamar para ser vice”, disse.
 
“Minha gente, eu não tô aqui tratando de ser mais as coisas, porque Deus já foi tão generoso comigo que eu já fui coisa demais na vida”, prosseguiu. Apesar disso, prometeu que antes do final do ano voltará a cidade como presidente eleito.
 
Na fala, Campos atribuiu a petista o baixo crescimento da economia, a paralisação de obras federais, os problemas nas contas públicas dos municípios e a aliança com políticos “do tipo Sarney, Collor e Renan Calheiros”.
 
“O povo brasileiro sabe que Dilma não soube tocar o Brasil do jeito que a gente queria, e sonhava, e torcia para que ela tocasse. E é só por isso que ela não vai ser mais presidenta da República. O Brasil inteiro sabe disso. Que ela já perdeu a eleição”, subiu o tom.
 
APOIO A PAULO CÂMARA – Eduardo veio a Pernambuco pela quarta vez em um mês para pedir apoio à candidatura do afilhado político Paulo Câmara (PSB), candidato ao governo do Estado, que está 27 pontos atrás do senador Armando Monteiro Neto (PTB) segundo a pesquisa do IPMN publicada nesse sábado (2).
 
“A gente sabe que a campanha vai começar agora. O nosso time é muitas vezes maior que o time do nosso adversário. Agora, o time tem que entrar em campo”, disse. “O time é todo mundo. Todo mundo. Todo mundo! Todo mundo agora está desafiado a entrar em campo para que Pernambuco não perca o que construiu”, afirmou.
 
Campos também voltou a criticar Armando, citando-o como “menino rico”. “Governar um Estado de 9 milhões de pessoas não pode ser uma honraria ou um brinquedo de menino rico, que tem a vaidade de ser governador”, alfinetou.
 
O ex-governador também comparou a situação de Paulo Câmara a própria trajetória, já que começou com 4% nas pesquisas em 2006, quando se elegeu governador. “Eu já vi muita gente que é bom de ganhar pesquisa. A vida me fez ser bom de ganhar na urna”, garantiu.
 

Comentários


Você pode reproduzir esta matéria, desde que seja citada a fonte.