22 de setembro de 2014 às 16:40h

Grupo mineiro vai construir Shopping para sulanqueiros em Caruaru

Do Jornal Commercio
 
O misto de vigor econômico e alto nível de informalidade no varejo de Caruaru chamou a atenção do grupo mineiro Uai Shopping. Especializada em melhorar as condições de mercado para microempreendedores, principalmente os informais, a companhia planeja erguer um empreendimento na Capital do Agreste Pernambucano: a meta é absorver parte dos mais de 10 mil vendedores da Feira da Sulanca.
 
“Queremos ajudar a organizar essa feira de modo que possamos dar estrutura digna para essas pessoas trabalharem”, diz o presidente do Grupo Uai, Elias Tergilene, que também já foi ambulante. “Esse projeto é para ajudar essas pessas a virarem empresárias”. Ele esclarece que uma área de 150 mil metros quadrados já está reservada.
 
O projeto que servirá de base será apresentado a feirantes e poder público no próximo mês. “Mas ele não está finalizado, porque os feirantes vão nos dizer como querem e o que precisam”, destaca. Em projetos em favelas do Rio de Janeiro, por exemplo, o shopping tem espaço para ensaio de escola de samba e baile funk.
 
A previsão é que sejam investidos cerca de R$ 100 milhões e que, após aprovado, em seis meses a primeira etapa seja entregue. Atualmente, a Feira da Sulanca, focada em produtos da área têxtil, fica numa área aberta junto com a feira de artesanato e a feira livre.
 
Estima-se que entre 10 mil e 13 mil “sulanqueiros” trabalhem no local. Já existe um projeto em andamento na Prefeitura de Caruaru para erguer um centro de compras semelhante ao Moda Center, de Santa Cruz do Capibaribe.
 
A REDE – “Não temos shoppings, temos feiras”, assegura Tergilene, ao reforçar o caráter popular dos empreendimentos que, segundo ele, focam na “classe G, de gente”. Ele diz que o termo “shopping” foi incluído na marca da empresa para se alinhar ao mercado em que está inserido, mas que sua estrutura e seu método de trabalho são totalmente diferenciados.
 
Os shoppings são geridos uma fundação sem fins lucrativos, a Doimo, que atua diretamente na formação dos empreendedores, junto a parceiros como Sebrae e Fundação Dom Cabral.
 
“Na verdade, somos verdadeiras incubadoras”, explica. A empresa estava entre os expositores que participaram o 13º Congresso da Associação Brasileira de Shoppings Centers (Abrasce), em São Paulo, na semana passada. No estande, a Uai mostrava seu portfolio, entre eles quatro shoppings, três em Belo Horizonte e um em Manaus.
 

Comentários


Você pode reproduzir esta matéria, desde que seja citada a fonte.