29 de setembro de 2015 às 09:09h

Livro resgata a atuação de Eduardo Campos na Alepe

Renata-Campos-Paulo-Câmara-Geraldo-Julio
 
De autoria dos jornalistas Evaldo Costa, Sergio Miguel Buarque e Rebeca Silva, o livro “Perfil Parlamentar Eduardo Campos – Da Assembleia de Pernambuco ao Coração dos Brasileiros” foi lançado nesta segunda-feira (28), na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe). O evento contou com a presença de autoridades e familiares do ex-governador, em Reunião Solene solicitada pelo primeiro-secretário da Casa, deputado Diogo Moraes (PSB).
 
Ao longo de 150 páginas, o livro reúne discursos proferidos por Eduardo Campos no Plenário da Casa, e os registros sobre a atuação do jovem político, que foi deputado estadual entre 1991 e 1995. Compromissos durante a campanha eleitoral, impressões que o então parlamentar causava aos mais experientes e memórias de momentos tensos – como a resistência à ação da polícia durante reintegração de posse em uma comunidade do Recife – também são relatados na obra.
 
Em nome dos autores do livro, o jornalista Evaldo Costa explicou que o texto tem o objetivo de divulgar uma fase menos conhecida da carreira política do ex-governador. “A trajetória de Eduardo Campos nos traz algumas lições. Primeiro, o empenho em tudo o que fazia. Segundo, o compromisso com o povo. E terceiro, a coerência: tudo que ele defendeu aqui na Assembleia, ele fez quando se tornou governador do Estado”, resumiu o escritor.
 
A viúva do ex-governador, Renata Campos, foi a primeira a receber um exemplar. A obra também foi entregue ao governador do Estado, Paulo Câmara, ao prefeito do Recife, Geraldo Júlio, ao conselheiro e presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PE), Valdecir Pascoal, que compunham a Mesa do evento. Houve homenagens do Quinteto da Orquestra Criança Cidadã, que recitou “Asa Branca”, e do cantor André Rio, que entoou “Madeira que Cupim Não Rói” acompanhado por Beto Hortis no acordeom.
 
O filho mais velho do homenageado, João Campos, agradeceu ao Legislativo e aos autores da obra. “Quando meu pai subiu nesta tribuna para seu primeiro discurso, ele tinha apenas 25 anos. Temos orgulho de saber que ele se saiu muito bem na sua primeira missão como homem público. Por isso a importância de livros como esse, que revelam o legado dele”, afirmou.
 


Comentários


Você pode reproduzir esta matéria, desde que seja citada a fonte.