22 de julho de 2014 às 17:11h

O Brasil mudou e quer uma campanha limpa, afirma Armando Monteiro

O Brasil mudou. Em todas as regiões, o País clama por uma campanha limpa. E em Pernambuco esse desejo não é diferente. Esse pleito, potencializado com as manifestações populares do ano passado, cobra um novo jeito de se fazer política. Mais limpa, menos poluída e respeitando os cidadãos nas ruas e nas calçadas. A ideia lançada por Armando Monteiro (PTB) e João Paulo, candidatos a governador e a senador pela coligação Pernambuco Vai Mais Longe, de retirar do Recife e da Região Metropolitana os cavaletes e bandeiras com bases fixas vem ganhando força nas ruas e nas redes sociais. O apoio pode ser medido nos números.
 
Desde o anúncio feito por Armando Monteiro, nesta segunda-feira (21), a iniciativa ganhou a simpatia de quase 3 mil pessoas, que se manifestaram nas redes sociais. O apoio também pode ser demonstrado pelo volume de compartilhamentos de mensagens que externam a ideia da campanha limpa nas redes sociais. Em menos de 24 horas, mais de 600 pessoas multiplicaram o conteúdo no Facebook, a partir da fanpage oficial de Armando.
 
Em respeito à população, incomodada com excesso do material publicitário nas ruas do Recife e da Região Metropolitana, os candidatos Armando Monteiro (governador), Paulo Rubem (vice) e João Paulo (senador) lançaram a iniciativa da campanha limpa que, além de remover os cavaletes e as bandeiras com bases fixas, também limita o uso de carros de som durante a semana. A ideia estabelece um novo padrão de comunicação na campanha eleitoral.
 
“Queremos manter nosso compromisso de fazer uma campanha limpa, de ideias, sem golpes baixos, como os pernambucanos querem e exigem”, afirmou Armando. “A cidadania vai mudando. O cidadão vai se tornando mais exigente. As manifestações nos apontam esse caminho e os políticos têm que mudar também. Eles precisam compreender que a gente precisa respeitar as pessoas e, por isso, achamos que esse seria um bom momento de expressar isso”, acrescentou.
 

Comentários


Você pode reproduzir esta matéria, desde que seja citada a fonte.