26 de fevereiro de 2014 às 08:18h

O PT vai marchar com Armando em Pernambuco, mas tudo ao seu tempo

Armando_e_Dilma
 
Existe uma antiga piada (até certo ponto, preconceituosa) sobre a habilidade do PT para trocar uma lâmpada. Fala-se que para trocar a lâmpada são necessários pelo menos 50 petistas: um para subir na escada e 49 para realizar uma reunião e discutir se é correto ou não realizar aquela atividade. Nos tempos de hoje poderia-se dizer o mesmo, com a diferença de que, no fim das contas, Lula é quem dá a palavra final.
 
O partido é formado por várias correntes internas, com ideias tão diversas que dariam para formar várias novas siglas. Por isso o tempo do PT é diferente do tempo no resto do mundo. Eles têm fuso próprio. O problema é que as eleições não vão mudar de data para esperar. E uma campanha precisa ser realizada.
 
Está decidido, o PT estará ao lado de Armando. Todo mundo sabe disso. Lula mandou o recado, os líderes regionais entenderam, os membros contrários já criticaram, alguns até já falam em pular fora. Mas, a verdade é que o PT não tem quadros para disputar o Governo do Estado. Humberto Costa é um fiasco eleitoral e João Paulo, carismático e bom de voto, carrega uma âncora chamada Humberto Costa amarrada ao tornozelo. Sempre que um tenta crescer, o outro por ciúme o segura. Esta é a realidade.
 
O maior partido do país vive em crise. É preciso acertar o relógio com o resto do mundo para não afundar de vez.
 

Comentários


Você pode reproduzir esta matéria, desde que seja citada a fonte.