3 de Janeiro de 2017 às 10:06h

Obras da Adutora do Agreste voltam a receber investimentos


 
O governo Federal voltou a liberar recursos para as obras da Adutora do Agreste e, a partir de agora, os quatro consórcios envolvidos na construção retomam as atividades com celeridade.
 
Com a liberação do último aporte de 2016, no valor de R$ 42 milhões, a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) fechou 2016 com R$ 142 milhões. A expectativa é que Toritama seja a primeira cidade a receber água pela Adutora, em Maio deste ano, seguida por Santa Cruz do Capibaribe, no mês de setembro.
 
A Compesa estuda uma alternativa para antecipar a chegada de água ao Agreste, que pode ser através da Adutora do Moxotó. A Compesa vai “puxar” a adutora, de 70km de extensão, pela BR-232 até Arcoverde, e de lá seguir por um trecho de 130km da Adutora do Agreste até Pesqueira, Belo Jardim e São Caetano.
 
A companhia também estuda a possibilidade de levar a água da Transposição a partir de captação na Barragem de Sertânia, adiantando a chegada para o município de Sertânia. Além disso, os trechos da Adutora do Agreste que vão de Caruaru à Toritama e de Toritama à Santa Cruz do Capibaribe serão finalizados, para começar a receber água do Sistema do Pirangi, a partir dos meses de maio e setembro de 2017, respectivamente.
 
O Sistema do Pirangi já está na reta final de conclusão das obras e vai levar água do município de Catende, na Mata Sul do estado, para a Barragem do Prata, situada em Bonito, beneficiando dez cidades do Agreste.
 

Comentários


Você pode reproduzir esta matéria, desde que seja citada a fonte.