20 de maio de 2014 às 07:49h

Operação Pernambuco: segurança restabelecida no Estado

6
 
“A missão das Forças Armadas está sendo muito bem cumprida. Podemos assegurar à população que as condições de segurança foram restabelecidas e a Cidade do Recife, bem como o Estado, vive um quadro de tranquilidade”. A garantia foi dada pelo general Jesus Correia, comandante da 7ª Região Militar, nesta segunda-feira (19/05), durante apresentação do balanço da Operação Pernambuco, decretada após a deflagração da greve da Policia Militar no Estado, na última quinta-feira (18/05). Na ocasião, também estiveram presentes os secretários Luciano Vásquez (Casa Civil) e Alessandro Carvalho (Defesa Social).
 
“Tive a oportunidade, no sábado e no domingo (17 e 18/05), de transitar pela cidade, bem como de obter informações junto à Secretaria de Defesa Social, e os resultados são extremamente positivos. O que nós verificamos é que o sentimento da população quanto à tranquilidade foi restabelecido. Pelos bairros que transitamos, de Boa Viagem a Peixinhos, em Olinda, por exemplo, o que vimos foi o retorno da população à sua vida normal. Comércio aberto, feiras funcionando, pessoas passeando pela cidade, indo para a praia, sem qualquer preocupação, tendo suas vidas restabelecidas dentro da normalidade”, relatou o general Jesus Correia.
 
Com a segurança restabelecida no Estado, abre-se a possibilidade de que a Operação Pernambuco, deflagrada pela Lei de Garantia da Ordem e que se estende até o dia 29 deste mês, seja encerrada antes do prazo. “Cremos que muito em breve, mediante a determinação do Governo do Estado, teremos condições de realizar outra avaliação verificando, de fato, a real necessidade de suspender ou não atuação das forças armadas no Estado”, informou o comandante da 7ª Região Militar.
 
Atuando em parceria com a Força Nacional e o Exército, o secretário de Defesa Social, Alessandro Carvalho, também destacou o cenário de normalidade da segurança no Estado. “Não só o efetivo está nas ruas, assim como o padrão de produtividade – prisões e Termos Circunstanciados de Ocorrência (TCOs) -, está de acordo e até superior, em alguns pontos, ao que nós tínhamos antes da greve”, destacou o secretário.
 

Comentários


Você pode reproduzir esta matéria, desde que seja citada a fonte.