7 de outubro de 2014 às 08:43h

Pernambuco de Arraes e de Eduardo é candidato a Estado coveiro do PT

arraes_eduardo_1
 
Por Ricardo Noblat
 
Pernambuco, do ex-governador Eduardo Campos, e do avô dele Miguel Arraes, é candidato ao título de “Estado coveiro do PT”.
 
No primeiro turno das eleições deste ano, simplesmente não teve para Lula, pernambucano; nem para Dilma, que se apresentou como a presidente que beneficiou o Estado fortemente; nem para o PT, o partido dos dois.
 
O PT tinha seis deputados estaduais. Restaram três. Quatro deputados federais. Acabou sem nenhum. Perdeu o governo. E também o Senado.
 
Os líderes mais expressivos do partido no Estado foram pessoalmente atingidos pelo tsunami anti PT.
 
João Paulo e João da Costa, ex-prefeitos do Recife, perderam – um para o Senado, o outro para a Câmara dos Deputados.
 
Pedro Eugênio, ex-presidente estadual do PT, perdeu a eleição para a Câmara. Assim como o presidente do PT no Recife perdeu a eleição para a Assembleia Legislativa.
 
João Paulo imaginara se eleger senador com os votos do Recife. Ali, Fernando Bezerra Coelho, candidato do PSB eleito senador, teve o dobro dos votos dele.
 
O plano do PT era eleger João Paulo senador para que em 2016 ele concorresse outra vez à vaga de prefeito do Recife. Com a derrota, o PT ficou sem candidato.
 
Como Lula e Dilma podem pensar que um Estado candidato a coveiro do partido deles possa aceitar que o partido que elegeu, o PSB, caia no colo do PT no segundo turno?
 
Roberto Amaral, presidente em exercício do PSB, é petista de carteirinha.
 
Na hora em que pede ao partido para que fique neutro no segundo turno é porque já sabe que nem mesmo isso acontecerá.
 
Renata Campos, viúva de Eduardo, só espera a visita de Aécio para anunciar que o apoia.
 

Comentários


Você pode reproduzir esta matéria, desde que seja citada a fonte.