20 de dezembro de 2013 às 19:40h

Prefeito quer apresentar projeto da Sulanca ainda este ano. Confira a entrevista completa concedida nesta sexta a Igor Maciel

DSC2605
 
Nesta sexta-feira (20), o Debate (Rádio Jornal), teve a participação do prefeito de Caruaru, José Queiroz, falando sobre a prisão dos dez vereadores que tentavam extorquir a Prefeitura para aprovar projetos, de acordo com a investigação da polícia.
 
A entrevista abordou a prisão dos vereadores, balanço da administração, um possível apoio a Eduardo Campos, sua relação com João Lyra, palanque com Tony Gel e a mudança da Feira da Sulanca. Confira:
 

Igor: Prefeito, nós sabemos que as operação começaram há cerca de seis meses, quando foi que a Prefeitura, que o prefeito José Queiroz tomou conhecimento disso?
 
Queiroz: A entrevista do delegado Erik Lessa, no Recife, prestando conta de como foi que aconteceu o inquérito, ela deve ser exatamente o foco, o norte, para que cada ouvinte que está em casa, que queira saber como aconteceu, fique consciente de cada um no seu verdadeiro papel. Erik Lessa disse com todas as letras, tomou conhecimento das conjunções públicas nos jornais, nos blogs, nas emissoras de Caruaru. E a partir dali, tomando conhecimento que estariam acontecendo coisa estranhas no Legislativo, porque se falava claramente em dinheiro. Tinha emissoras de rádio que noticiava isso, comentaristas que comentavam que só quando aparecessem as oncinhas (dinheiro), que poderia resolver é que a polícia civil começou a agir. Então o Erik Lessa foi muito claro: a investigação é da polícia, a iniciativa é da polícia. Então a polícia agiu, preparou o seu inquérito, foi adiante, aprofundou com as coisas já flagrantes, comentadas em jornais, em páginas de jornais. E é evidente que, em determinado momento, essa interlocução chega a Prefeitura. Eu peço que a gente só coloque essa interlocução da Prefeitura lá adiante, quando o inquérito for concluído pela polícia.
 
Igor: O senhor chegou a ter notícia? A polícia começou a investigar a partir do momento em que surgiu nos blogs, a partir do momento em que surgiu na imprensa. Mas o senhor tinha conhecimento disso antes? Aconteceu isso em algum momento dos seus quatro mandatos?
 
Eu posso dizer que é uma coisa triste para Caruaru. É um momento que a gente não gostaria de estar vivendo. Quem é prefeito pela quarta vez carrega uma experiência muito grande sobre tudo o que tem acontecido política-administrativamente em Caruaru e nunca na minha vida administrativa aconteceu coisa parecida. Primeiro porque eu não admito, e não seria agora, na idade em que me encontro, no quarto mandato que eu me permitira manchar uma biografia que o povo de Caruaru conhece. Nunca aconteceu! Foi a primeira vez que aconteceram fatos como este que a polícia está apurando e que lá mais adiante quando a polícia concluir a sua investigação e que se eu tiver que ser chamado para falar, eu falarei.
 
Igor: É porque tem muita gente que acha que, porque a Prefeitura colaborou, as gravações não têm nenhuma negociação por parte do secretário. Acham que é por conta disso, por isso eu achava importante a gente dizer “oh, a Prefeitura entrou desde o início da investigação ou não”…
 
Não, não. Não! A polícia deixou claro, o Erik Lessa, que iniciou as investigações há mais ou menos seis meses, quando tomou conhecimento pela imprensa. A polícia começou a agir quando tomou conhecimento. Só depois houve a interlocução com a Prefeitura. E muito adiante. Ou seja, a polícia já estava com o fato material. E ontem a polícia soltou os diálogos, gravados com autorização da Justiça, que não tem nada a ver com a Prefeitura. Na hora em que a polícia está fazendo a sua investigação e vai à Justiça e pede ordem para fazer a gravação de determinados telefones não tem nada a ver com a Prefeitura. A Prefeitura não entra nessa cena em nenhum momento. É só polícia e Justiça.
 
Igor: Depois que aconteceu, o senhor está de alguma forma temeroso com a reação dos vereadores que estão presos?
 
Não, não. Eu estou do lado da verdade. Eu tenho uma condução reta, repetir: é uma iniciativa da polícia respaldada pela Justiça e que chega à Prefeitura. Não há nenhuma ameaça, nenhuma… versão mentirosa. Nós estamos muito à vontade, agora mesmo de manhã eu já passei lá na Ponte Irmã Jerônima para olhar o início de trabalhos que eu recomendei por conta das chuvas. Nós recebemos um comunicado do sistema do Estado, de que poderíamos ter muitas chuvas fortes agora no Agreste, imediatamente marquei uma reunião da Defesa Civil, recomendei ao nosso diretor Maurício que começasse a desentupir onde pudesse os bueiros, que é onde mais há problemas e fui olhar se os trabalhos do rio já tinham sido iniciados pela manhã. Logo eu levo uma normalidade na vida administrativa e é evidente, não sei se as pessoas que estariam envolvidas nessa polêmica poderiam representar, para qualquer um da administração, perigo. Eu acho que não. Nós temos que enfrentar tudo na Justiça, esse é o caminho. E Justiça falará com clareza, fazendo justiça para verificar quem tem a razão. Eu agradeço ao Sistema Jornal do Commércio por ter vindo ao meu gabinete para fazer essa entrevista, que eu tenho uma programação para receber o senador Humberto Costa e era muito provável que eu não tivesse tempo de estar na emissora e fazer o deslocamento para receber o senador que também está com uma agenda em Caruaru. Por isso eu fico muito à vontade, estou cumprindo a minha agenda administrativa e assim, com as bênçãos de Deus e a Sua proteção eu vou continuar.
 
Igor: Prefeito, daqui há pouco Eduardo Campos será entrevistado pelo Geraldo Freire, aqui na Rádio Jornal também, e eu pergunto ao senhor: Ele vai ser candidato à presidência, é um grande aliado do senhor. Ele disputa a eleição com a presidente Dilma Rousseff que também é uma grande aliada. Prefeito José Queiroz vai ser aliado de quem?
 
Nós somos parceiros do governador Eduardo Campos, que eu já disse repetidas vezes ao seu programa, foi o maior parceiro. O maior governador de todos os tempos da história administrativa de Caruaru, para esta cidade, para este município. Então nós temos um pernambucano como governador, como parceiro da administração. Até agora nós somos o seu parceiro. Eu quero lembrar a você que eu sou integrante de partido aliado do governador Eduardo Campos. Eu ficarei aguardando apenas que o meu presidente (Carlos) Lupi, presidente nacional, tenha a interlocução, a conversa com o governador Eduardo Campo sobre uma possível aliança do PDT com o PSB. Agora, essas conversas já ocorreram, elas vão ter seqüência. O presidente Lupi já veio mais de uma vez ao gabinete do governador, conversar com o governador. Mas como o governador ainda nem definiu se é candidato à presidente, ainda é conjectura… Agora eu quero lhe afirmar, categoricamente a minha solidariedade, a minha parceria com o governador Eduardo Campos.
 
Igor: Se o PDT nacional disser “não, nós vamos com Dilma”, com é que fica a situação?
 
Eu tenho sido uma voz discutindo essa questão nacional e também tenho dito ao presidente Lupi que nós somos de Pernambuco e, como pernambucanos, ficamos orgulhosos de ter um presidente que é um dos mais aprovados. É o mais aprovado do país, com práticas de administração novas, com modelo de administração. Um gestor que modernizou a máquina. Isso tudo dito à Lupi, dito também a outros líderes partidários como Cristóvão Buarque, como Riguffi, como o deputado federal Vieira da Cunha que é candidato à governador no Rio Grande do Sul. E eles comungam desse sentimento da gente. Então eu espero que esse sentimento que nós discutimos internamente na executiva nacional, ele possa ser a configuração final para que possamos estar juntos com o governador, mas eu vou esperar. Não vou ser indisciplinado, que isso aconteça em março, abril com o presidente Lupi.
 
Igor: O senhor apoiando Eduardo Campos, se isso acontecer, o senhor vai estar no mesmo palanque que o vice-governador João Lyra Neto e provavelmente, ou não, porque hoje eu já vi também uma foto do Jarbas com Armando Monteiro, s acontecer o PMDB indo com Eduardo Campos também, o senhor vai estar junto com Tony Gel. Como é que será essa configuração de palanque?
 
Olhe, estar no palanque com Jarbas Vasconcelos é repetir o que aconteceu em nossa vida política em 1990 quando eu e ele disputamos, ele candidato à governador e eu candidato à senador. Com Jarbas sempre tivemos uma relação saudável politicamente, trabalhei com ele dentro do MDB, e ele neste palanque não tem problema. Agora quanto a configuração de um palanque amplo, o próprio deputado de Caruaru já negou, ele disse que terá o palanque dele, logo você não vai ver esse palanque porque ele terá o seu palanque, foi ele quem disse.
 
Igor: Seu nome chegou a ser cogitado para formar uma chapa com Armando Monteiro, existe possibilidade disso acontecer?
 
Eu fico feliz pelas tratativas sobre o assunto.
 
Igor: O senador Armando Monteiro chegou a conversar com o senhor? Informalmente?
Não, não… nem o senador Armando Monteiro, nem nenhuma pessoa ligada à Armando Monteiro, agora, essas coisas acontecem mais porque eu tenho um amigo muito intimo, um amigo pessoal meu que é Douglas Cintra, que é do PTB, aí as pessoas ficam fazendo as especulações. Mas a gente fica gratificado. Não aconteceu, o senador Armando Monteiro tem sido muito ético sempre. Por enquanto essas especulações só servem para me gratificar, porque o que eu sou mesmo é prefeito de Caruaru até 2016.
 
Igor: Orçamento Participativo é uma opção para fugir desse toma lá da cá com os vereadores ou não?
 
Eu preferia dizer à você assim: começar pelo o que nós estamos fazendo. Começar dizendo que nós terminamos o ano dando um balanço no Orçamento Participativo muito positivo.
 
Sobre o depoimento do vereadores que não foram implicados no escândalo, o senhor já espera por isso?
 
Eu esperava, porque se o Erik Lessa está fazendo uma investigação ampla e este assunto que ele colocou como principal teria sido o BRT, um assunto que estava na pauta da Câmara. O projeto foi retirado, inclusive, para não ser derrotado. Ele vai querer ouvir a versão dos vereadores para fazer um trabalho bem fundamentado e somar todos os depoimentos. Então pra não é nenhuma surpresa que ele até todos, pode só chamar esses, mas pode chamar todos também.
 
Igor: o delegado informou na coletiva, inclusive, que havia mais um vereador da situação que poderia ainda ser preso. O senhor tem conhecimento de quem seria?
 
Não, fiquei mais surpreso ainda, quando ele ontem, na coletiva, afirmou isso. Fiquei numa expectativa desagradável e não poderia ser diferente, esperando afinal o pronunciamento da polícia.
 
Igor: O que foi de mais curioso que o senhor já escutou?
 
Não surgem muitas curiosidades, são coisas muito rotineiras. O vereador é aquele que fica na ponta, que está junto do eleitor e que quer trazer o recado do eleitor para resolver o problema. Então é mais rotineiro. É mais o calçamento, é mais o posto de saúde. É o exame de saúde que estava sendo difícil, então é uma rotina. Graças à Deus, à essa altura dos acontecimentos, a gente tem permitido que a máquina seja mais eficiente no atendimento destas interlocuções dos vereadores que eu considero naturais. Na hora que o governador Eduardo Campos inaugura a UPAE e isso é articulado com as unidades de saúde nossas e, graças à Deus, todas as 49 unidades de saúde nossas, agora têm médicos, então esse encaminhamentos vão para a UPAE e só pode ir para a UPAE através das unidades de saúde. Ou seja, o sistema começa a se harmonizar e quem ganha com isso é o vereador, porque o seu eleitor, aquele que lhe procura, vai ser orientado por ele “vá para a unidade de saúde e o seu exame será atendido pela UPAE”. Mas, às vezes, o vereador vem com um pedido que esquece que o prefeito não pode fazer. Às vezes o vereador vem com um pedido formal,já aprovado na Câmara, para doar um túmulo à uma família e nós não podemos.
 
Igor: O projeto do BRT, que foi o pivô dessa confusão, tem um valor muito alto. R$ 250 bilhões por ele completo, R$ 150 bilhões só para o BRT e o município vai pagar em 20 anos. Não existia uma forma mais prática e mais barata de modernizar o trânsito aqui em Caruaru?
 
Nós poderíamos procurar essa formula. Só não podemos desperdiçar uma oportunidade. O governador Eduardo Campos desde de 2006 que contrai empréstimos internacionais, vocês são as pessoas que noticiam, através de dois bancos, o Banco Inter Americano e o Bando Mundial, afora o BNDS. Então todos os empréstimos que o governador Eduardo Campos tomou não tem menos custo que esse empréstimo que a prefeitura de Caruaru está tentando efetivar. Se a gente tivesse sido contemplado com um PAC sem ônus, com transferência direta dos recursos, estava tudo muito bom, mas nós não fomos. Fomos como Recife, Petrolina, com esse PAC da mobilidade com ônus. A pergunta que se faz é a seguinte: com o processo de desenvolvimento que Caruaru está atravessando, nós podemos desperdiçar essa oportunidade?
 
Igor: Tem muita gente que acha que era só aprovar o projeto pelos vereadores e já podia começar a quebrar a área. Não é bem assim…
 
Não é assim. Nós temos etapas a cumprir junto à Caixa Econômica, à Secretaria do Tesouro Nacional, ao Ministério das Cidades até chegar ao BNDS. Podem aprovar os R$ 200 bilhões, até por uma capacidade de endividamento reduzir isso, aí teríamos que estabelecer o que seriam metas do nosso plano. Isso foi dito aos vereadores. Nós ainda temos etapas à cumprir. Nós não podemos desperdiçar a oportunidade, a exemplo do que estão fazendo outras cidades, poder avançar e dar resposta à essas demandas reprimidas de Caruaru.
 
Igor: Quando é que a Prefeitura vai contratar mais guardas municipais e agentes de trânsito, principalmente?
 
A gente não está podendo ainda elevar o teto, nós estamos fora do teto e, naturalmente, isso não nos permite ainda pensar em ampliação de quadros de guarda municipal e agente de trânsito. Mas eu espero que a nossa presidente Dilma seja menos rigorosa nessa distribuição de recursos para os municípios, e a receita subindo – é curioso – basta a receita subir para o teto baixar, que uma coisa depende da outra. Ai a gente terá condições de atender esse aumento de quadros.
 
Igor: Quando é que os guardas municipais vão poder usar armas? Eles têm essa expectativa.
 
Na minha administração, eu posso afirmar, que nós não armaremos a guarda municipal. Nós apenas utilizaremos aqueles equipamentos normais que guarda municipal pode usar. Mas a arma, o revolver ou outro tipo de arma, na nossa administração, nós não faremos.
 
Igor: o senhor ficou magoado com os professores por eles terem rasgado aquele documento com a negociação entre a gestão e a classe?
 
Eu não guardo mágoa como ser humano. Nem guardo mágoa dos professores, nem de ninguém. Na minha relação humana eu não guardo mágoa de ninguém. Eu acho que a mágoa faz mal a saúde da gente. A mágoa gera um
mal-estar, gera raiva, gera um ambiente incompatível até com o processamento humano. Eu não guardo mágoa. E apenas analiso que os professores desperdiçaram a oportunidade. Os professores discutiam que o PCC estava limitando certos direitos da categoria. E aí a nossa equipe se colocou à disposição dos professores, discutiu esses pontos, discutiu na mesa de negociação, avançou, aceitou às propostas do professores, eram mais de 30 pontos e ele reduziram tudo isso à apenas um: o financeiro. Aí rasgaram publicamente todo o avanço de negociação. Ora, como é que a categoria podia avançar nos 30 e tantos pontos, à favor dos professores, e não quiseram? Eu lamentei e reafirmo que estou consciente que sou o prefeito que paga um dos melhores salários ao professorado de Pernambuco. Melhor que o do governo do Estado. Conseqüentemente paguei o piso nacional a partir de janeiro passado. Já havia pagado, como venho pagando, às vezes ajustando a máquina financeira, o terço de férias. Asseguro aos professores a aula atividade e já tendo o salário que eu tenho, superior ao piso, mais ou menos, em 38%, discutir mais salário, até fora de época.
 
Igor: Em 2014 não há esperança de atender a classe?
 
Não, porque eu já pago superior ao piso. Qual é a discussão nacional? Não é o piso, não é a hora atividade? Isso eu já cumpro, e cumpro todas as obrigações. Acabei de pagar, ontem, o 13º salário e programei para o final do mês, de 30 de novembro à 30 de dezembro a Prefeitura está injetando na economia de Caruaru R$ 42 milhões. Com isso completo 60 meses, da gestão anterior com essa, pagando rigorosamente em dias.
 
Igor: Feira da Sulanca, se ela for transferida, o local já está definido , prefeito?
 
Este será o maior projeto da minha vida administrativa, dos quatro mandatos. Ele está todo pronto, faltando apenas o retoque e o anúncio, e eu tenho certeza que será uma revolução para Caruaru, porque as ultimas feiras aqui, no Parque 18 de Maio, demonstraram que as sonhadas melhorias naquele local não resolveriam a questão. Para modernizar Caruaru a gente precisa, na verdade, da Feira da Sulanca em um novo local. E já está tudo pronto. Curiosamente eu preciso ter uma conversa final com o governador Eduardo Campos, porque foi isso que eu combinei com ele. Vou ter essa conversa para fazer o anuncio para Caruaru. Eu gostaria muito de poder anunciar até o final do ano, como o grande presente de Natal para Caruaru e esperava a confirmação dos sulanqueiros. Se der, tempo, se o governador, com o seu tempo presidenciável me receber e a gente fechar as questões, eu vou anunciar. Não tenho dúvidas de que Caruaru vai aprovar essa iniciativa.
 
A gente terminou o ano com um balanço muito positivo, terminou o ano com o Selo Unicef, de 2009 à 2012, um organismo internacional provando as políticas públicas nossas, da saúde, da educação e de políticas sociais. Que tem muito o que fazer,, a gente sabe, mas o esforço está compensado. Quando a gente luta por mais creches, mais unidade de saúde, mais Cras para aperfeiçoamentos das políticas públicas, evidentemente, a gente sabe que está faltando muita coisa, mas nos coroamos o ano assim. Outra obra é o Revitalino. Vamos entregar ainda esse ano, sem festa, a rua Mestre Vitalino, e dar ordem de serviço para começar as obras do estacionamento, do receptivo turístico, do pórtico e da revitalização de toda a área gastronômica.
 
Igor: Até o mês de junho nós teremos isso pronto?
 
Se os empreiteiros não falharem comigo, nós já viveremos o São João com todas essas obras concluídas. E aí a gente vê o balanço, o Revitalino faz parte do ano de 2014, a Feira faz parte do ano de 2014. E, se Deus quiser, vamos entregar as UPAs da Cohab I e Cohab III, para que tenhamos a melhor rede de saúde do Estado. E o mais importante, agora nós temos médicos em todo canto.
 
Igor: Ano que vem João Lyra, muito provavelmente, será governador do Estado, como é que o senhor acredita que será a sua relação com o governo?
 
A minha relação é a mesma. Normal. Não tenho conversado cm ele, mas não deixo de alimentar o bom diálogo, a saudável convivência, porque João tomou uma posição equivocada na eleição passada. Eu lutei, tive que derrotá-lo, derrotar Tony, derrotar Miriam, derrotar todos que ficaram contra. Agora mês depois ele veio para a rádio Cultura e eu e o deputado Wolney Queiroz fomos ao seu encontro cumprimentá-lo e deixar o diálogo aberto. Um mês depois, em dezembro, a deputada Raquel fez a confraternização natalina e nós estávamos lá. É assim que eu quero ter a convivência com ele porque eu tenho compromisso com o governador, com a frente popular, como ele tem, que ele é integrante da frente popular. E assim será para o bem de Caruaru
 
Igor: Se o senhor pudesse sugerir quem será o candidato de Eduardo Campos para 2014?
 
Nem ele coloca essa pedra. Você vai colocar na minha mão? Deixa pra lá. Dá o tempo. Eu acho que Eduardo só vai escolher em março ou abril, ou quem sabe, como seu estilo, até maio.
 
Igor: O que o senhor acha do ex-ministro Fernando Bezerra Coelho?
 
O governador tem a sorte de pode contar com quadros importantes. O governador tem a sorte de pode contar com quadros técnicos, como o Figueira, contar com o Tadeu Alencar que é uma figura excepcional. Só citar dois, poderia citar muitos, e o Fernando Bezerra Coelho também. Fernando Bezerra Coelho mostrou no Ministério da Integração o seu compromisso com Pernambuco e também mostrou com caruaru uma atenção muitíssimo especial, que vai nos dar, em 2014, as estradas rurais, que já começamos a receber o dinheiro e vai ser uma revolução para Caruaru. O Fernando Bezerra Coelho é outro quadro que ele tem que pode escolher, ele tem muitos quadros como também o vice-governador e daqui pra março/abril escolher.
 
Igor: o senhor falou agora nas estradas da zona rural, o dinheiro vai chegar, quando?
 
Uma das muitas aflições de um prefeito. Nós entramos no CAUC na semana passada e deixamos de permitir ao ministério da integração fazer a transferência da primeira parcela de R$ 8,7 milhões. Hoje Caruaru saiu do CAUC, ou seja, do Serasa municipal, a situação está resolvida. Já acionamos o deputado Wolney Queiroz para ele entrar em contato com Brasília e a gente poder ter a transferência dos recursos ainda esse ano.
 
Igor: Qual a mensagem que o senhor deixa para Caruaru em 2014?
 
A mesma mensagem que de 2013. É uma mensagem de paz, de compreensão, de amor, de construir uma vida melhor. O esforço da Prefeitura nesse sentido. O desejo de toda a equipe nossa de servir melhor, apesar de ter os tropeços humanos naturais, mas o propósito elevado de fazer Caruaru mais feliz.
 

Comentários


Você pode reproduzir esta matéria, desde que seja citada a fonte.