5 de junho de 2015 às 15:26h

Renata Campos é apontada como motivo para fim da fusão do PSB com o PPS

Renata-Campos
 
Nos gabinetes parlamentares de Brasília, a fusão do PSB e PPS foi freada por Renata Campos, viúva do ex-governador Eduardo Campos e, atualmente, principal quadro da partido em Pernambuco. No corredores do Congresso a notícia é que uma conversa entre Renata e Carlos Siqueira, presidente nacional do partido, foi o motivo da paralisação do processo.
 
A fusão era obra do vice-governador de São Paulo e dirigente do PSB daquele Estado, Márcio França, com benção em Pernambuco, de Fernando Bezerra Coelho, que continua sendo ligado ao PT e a presidente Dilma Rousseff. A união dos partidos tiraria de vez Pernambuco do “poder” na nacional do partido.
 
O Estado, que ficou enfraquecido após a morte de Campos, ainda não tem líderes que possam chamar para si a responsabilidade de comandar o PSB nacionalmente, restando buscar uma boa convivência com São Paulo para juntos tentarem alavancar o projeto de crescimento proposto por Eduardo.
 

Comentários


Você pode reproduzir esta matéria, desde que seja citada a fonte.