1 de novembro de 2013 às 14:14h

Rotas da Integração Nacional receberá apoio de superintendências regionais

 
O Ministério da Integração Nacional está fechando parceria com as superintendências regionais para fortalecer o projeto Rotas da Integração. O objetivo é superar as desigualdades no país, por meio da estruturação produtiva e integração das regiões de menor dinamismo econômico e social. Os acordos de cooperação com as superintendências do desenvolvimento do Nordeste (Sudene), do Centro-Oeste (Sudeco) e da Amazônia (Sudam) devem ampliar as áreas de atuação das rotas.
 
Para o coordenador geral de programas sub-regionais da Secretaria de Desenvolvimento Regional (SDR), Marcos Sant’Ana, a parceria com os órgãos possibilitará o mapeamento e a prospecção de novas cadeias. “A ideia agora é inserir as rotas em regiões pouco exploradas, como nos perímetros irrigados e sequeiros. Para isso, contar com a expertise e a proximidade das nossas vinculadas será fundamental para gerar resultados ainda mais satisfatórios”, destaca.
 
De acordo com o especialista em políticas públicas e gestão governamental da SDR, Vitarque Coêlho, no primeiro ciclo de trabalho foram investidos R$ 94,9 milhões na estruturação produtiva e na interligação econômica das áreas menos desenvolvidas no país. A expectativa é de que até o final deste ano mais de 60 mil famílias sejam beneficiadas.
 
Segundo uma das gestoras do programa, Joana Nemoto, nesta nova fase do projeto serão priorizados setores com potencial de crescimento, inclusão produtiva e desenvolvimento tecnológico. “Os principais critérios de escolha são a sustentabilidade ambiental, vinculação à agricultura familiar, atividade intensiva em emprego e representatividade regional”, explica.
 
Rotas da Integração – Coordenadas pela SDR, as rotas formam redes de Arranjos Produtivos Locais (APLs), que atuam na promoção, na competitividade e na lucratividade dos empreendimentos associados, mediante o aproveitamento das sinergias coletivas e a ação convergente das agências de fomento.
 
Atualmente, o projeto atua em seis cadeias produtivas: Cordeiro, Economia Criativa, Frutas, Mandioca, Mel e Peixe, além de contemplar as centrais de comercialização de produtos oriundos desses setores. O orçamento total para execução das ações em 2013 é de R$ 169 milhões. Para 2014, estão sendo programados R$ 230 milhões para implantação das rotas em todo país.
 

Comentários


Você pode reproduzir esta matéria, desde que seja citada a fonte.